Lifestyle

Sem comer é que eu não fico #2 | Segundo Muelle

  • Novembro 30, 2017

Foi no feriado de 1 de Novembro que fui conhecer o Segundo Muelle com o Alexandre. Um restaurante peruano que se localiza em Santos mesmo ao pé do Mercado da Ribeira, mais precisamente na Praça D. Luis I.

Confesso que a expectativa era alguma. Normalmente não gosto muito do que é diferente daquilo a que estou habituada. E estava com medo de não gostar. Até porque comidas ligadas ao mar não são o meu forte. Já o Alexandre estava super descontraído. O único problema dele era, qual dos pratos escolher?

Já tinha ouvido críticas óptimas do espaço. E num dos meus jantares pela zona, acabava sempre por espreitar para o Segundo Muelle e ficava sempre com curiosidade para entrar.

Para começar, adorei o espaço e o ambiente. Restaurante espaçoso, com imensa luz natural (muito importante para mim), cheio de janelas e mesas junto às janelas. Em tons de castanho e com uma decoração simples mas muito aconchegante. Gostei imenso das cordas por todo o espaço que me fizeram viajar para alto mar.

Começámos por pedir um Pisco Sour. Eu já conhecia, o Alex não. Claro que acabei por provar também. O Pisco é um cocktail que faz parte da gastronomia da America do Sul. E é preparado à base de Pisco e Maracujá. É óptimo e este estava super fresquinho.

 

 

Para entrada aceitámos a sugestão do funcionário (desde logo mega simpático e sorridente) e veio para a mesa banana frita, os tão famosos milhos, que ao invés dos nossos, ficam bem molinhos por dentro e são super fáceis de comer, bem como pão com sementes e manteiga feita por eles.

 Depois do Pisco, para acompanhar a refeição escolhemos um Dona Maria, alentejano de Estremoz que é fantástico.

 Chegou a hora da refeição. E o que escolher? Não foi fácil. Eu olhei algumas vezes para o Menu e o Alex pediu ajuda.

 A minha escolha recaiu na Plancha Anticuchera, que é lombo salteado na wok com cebola e tomate com molho anticuchera. E vem acompanhado com Choclo (variedade de milho) salteado e batatas fritas. Faz crescer água na boca, não faz? 😀

 O prato é super bem servido. Ao ponto de nem ter conseguido terminar. Depois das entradas maravilhosas.

Mas é divinal. A mistura de sabores é perfeita. A carne super tenra que se desfaz na boca.

Já o Alexandre, escolheu o Tacu Tanque que é Tacu tacu à base de arroz e feijão, recheado com bananas e selecção de mariscos envolvidos em molho de salmão fumado.

Confesso que este prato não provei por não ser apreciadora de marisco mas o Alex disse que estava óptimo. E pelo aspecto acho que dá pra perceber. 🙂

 

 

Gostei muito do pormenor da concha.

Para as sobremesas foi bastante difícil. Eu já não queria por não conseguir mais. Mas o funcionário insistiu e o Alex também estava numa de provar mais do que uma.

 

Acabámos por escolher o Tres Leches, um bolo húmido de três leites coberto com chantilly e polvilhado com chocolate. DI-VI-NAL.

 E Creme Brulée de Hierbaluisa. Que não ficou nada atrás do Tres Leches. Na verdade, ficámos com vontade de voltar para provar as restantes sobremesas.

Tenho de notar que o serviço é muito rápido. Entre escolher e a comida estar na mesa passa muito pouco tempo. É um local a voltar com certeza. Obrigada Segundo Muelle foi um almoço muito agradável numa tarde de Outono que ainda nos parecia Verão.

 

 

1 Comment

  • Espiral

    Também só vejo boas opiniões do Segundo Muele mas sinceramente fui lá uma vez e foi péssimo.

    Já provei o verdadeiro pisco sour e este é péssimo, além de carissimo para a quantidade que leva . Usam muito o factor novidade.

    O ceviche não estava mas já comi muito melhor em sítios em que não é a especialidade.

    por fim pedimos tartaros de atum e salmao e estava horrivel. Sem limão suficiente, não estava no ponto, um estava muito cru e o outro decididamente “cozido” demais. Não foi nada barato e muito má qualidade.

    Para além disso, na carta não colocam os nomes completos dos vinhos e caimos no erro de pedir um pensando que era outro (publicidade enganosa pois o que trouxeram era de gama mais baixa) e o preço era ridiculo. 500% sobre o preço em loja (ok, é normal ter 100, 200 ou 300% de diferença, mas 500% já é a chular).

    Talvez outros pratos sejam melhores, mas não ficamos com vontade de voltar.

    Reply

Leave a Reply